terça-feira, 29 de janeiro de 2008

É uma evidência

Analistas imobiliários contactados pelo EXPRESSO, garantem que Sá Fernandes sempre teve razão na contestação desta permuta.

João Charters da, Iber Estates: «Independentemente da área de construção a autorizar no local, a verdade é que cada metro quadrado vale entre 1600 e 1750 euros, ou seja, muito acima dos 1000 euros negociados com a Bragaparques».



Almeida Guerra, da Rock Building: «O Vereador Sá Fernandes tem toda a razão em contestar o negócio pois a câmara de Lisboa ficou claramente a perder com esta venda»


[BA]

8 comentários:

meia-laranja disse...

Li agora no Sol on-line que o Gremio Lisbonense vai ser declarado pela Camara de utilidade publica, o que impedirá o seu despejo.

Já estranho mais a noticia, porque ela é totalmente omissa, no papel que o Sá Fernandes desempenhou no apoio á agremiação.

São citados a Magrinho ,a Roseta o Negrão, mas sobre o Sá , nada...

Estranho

Anónimo disse...

O Sá Fernandes não priviligia a comunicação com os jornalistas. Ele pode achar que basta estar a trabalhar para o bem da cidade, mas hoje em dia a política faz-se é com a comunicação social. Ele não se pode esquecer disso.

Anónimo disse...

O Sá Fernandes não priviligia a comunicação com os jornalistas. Ele pode achar que basta estar a trabalhar para o bem da cidade, mas hoje em dia a política faz-se é com a comunicação social. Ele não se pode esquecer disso.

lisboeta disse...

Mas a comunicação com os tribunais funcionou!! E a comunicação com a Cidade também. Ficou demonstrado o óbvio - já pode entrar na categoria de axioma. Só o Bragaparques ficava infinitamente a ganhar com o negócio (só ele???)

Anónimo disse...

A posição do Sá Fernandes de apoio ao Grémio sempre foi inequívoca. Reuniu com a direcção do Grémio e interveio junto do presidente da CML para procurar uma solução para o problema.
É bom saber que a expectativa sobre o trabalho do Sá Fernandes em Lisboa é tanta...

Anónimo disse...

...as nossas expectativas crescem proporcionalmente à sua (esperada)intervenção na questão das bibliotecas municipais e respectivas dirigentes (que estarão mesmo de saída? Vão para onde? Alguém quer nos seus quadros de pessoal pessoas tão mal formadas, humanamente falando, e profissionalmente incompetentes?). Já não falamos na questão dos horários que tanta água fez correr. Mas a ver se desta vez se acerta na escolha para a direcção do departamento e para a chefia de divisão. Não advogamos uma "caça às bruxas", mas as suas/seus colaboradoras(es) mais próximas(os)também não se portaram muito bem... perceberam? Vamos lá a AGIR!

Anónimo disse...

"O Sá Fernandes não priviligia [se calhar era: privilegia] a comunicação com os jornalistas."

LOL
LOL
LOL

Anónimo disse...

Intervenção nas bibliotecas municipais? E nas respectivas chefias? Não vês que isso são serviços com pouca "visibiliadade"!!! Se por baixo passasse um túnel ou fosse ser inaugurado um jardim ou fosse concessionado um restaurante ao júdice e C.ª ou... é pouco, não tem o brilho que o Sá Fernandes gosta. Não o ia certamente fazer aparecer na TV, rádio ou jornal. Talvez numa K7 pirata!